Blog

O que é o PERT / REFIS do Simples Nacional e o que você precisa saber sobre ele

O que é o PERT / REFIS do Simples Nacional e o que você precisa saber sobre ele

26/04/2018

Desde o último dia 03 de abril, o veto presidencial ao PERT / REFIS do Simples Nacional, o programa de refinanciamento das Micros e Pequenas Empresas (MPEs), foi derrubado.

Para que você possa saber do que se trata o PERT e sobre como esse veto vai impactar sua empresa daqui pra frente, preparamos este artigo com todas as informações que você precisa conhecer a partir de agora.

Não deixe de ler, pois são informações determinantes para o seu negócio.

 

 

1 - O que é o PERT / REFIS das Micro e Pequenas Empresas?

Trata-se do Programa Especial de Regularização Tributária das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte com débitos do Simples Nacional (PERT-SN) instituído pelo Projeto de Lei Complementar 164/2017, relativo aos dos débitos tributários apurados no próprio Simples Nacional.

  • Esse é o primeiro parcelamento especial, com redução de multas e juros, de débitos tributários concedido aos optantes do Simples Nacional.

 

2 - E a lei do PERT / REFIS já está em vigor? O que houve agora em abril?

O presidente Michel Temer sancionou, no dia 06 de abril de 2018, a lei complementar 162/18, que institui o Programa Especial de Regularização Tributária para Microempresas e Empresas de Pequeno Porte optantes pelo Simples Nacional – PERT-SN.

O CGSN (Comitê Gestor do Simples Nacional) publicou em 19 de abril de 2018, as Resoluções CGSN números 138  e 139, que  regulamenta o PERT do Simples Nacional e traz algumas novidades em relação ao projeto inicial.

 

3 – Os 12 pontos principais desse Parcelamento Especial:

1 – Início da vigência a partir da publicação da Lei Complementar;

2 – Quantidade de parcelas ampliada para até 175 meses (14 anos e 5 meses);

3 – Redução de até 90% dos juros de mora;

4 – Redução de até 70% das multas de mora;

5 – Redução de 100% dos encargos legais, inclusive honorários advocatícios;

6 – Prazo de 90 dias para adesão ao parcelamento especial, contados a partir da publicação da Lei Complementar, vencendo no dia 09 de julho de 2018;

7 – Abrangência de débitos do Simples Nacional vencidos até a competência de novembro de 2017;

8 – Parcela mínima de R$ 300,00 para microempresas e empresas de pequeno porte;

9 – O valor de cada parcela mensal, por ocasião do pagamento, será acrescido de Selic, acumulada mensalmente, calculados a partir do mês subsequente ao da consolidação até o mês anterior ao do pagamento, e de 1% (um por cento) relativamente ao mês em que o pagamento estiver sendo efetuado.

10 – Os débitos dos MEI (Microempreendedores Individuais) também podem ser parcelados, desde que entregue a Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual (DASN-SIMEI), com parcela mínima de R$ 50,00.

11 – Não haverá necessidade de garantias.

12 - Será cancelado o parcelamento caso a entrada de 5% não seja recolhida e implicará a rescisão do parcelamento a falta de pagamento de três parcelas, consecutivas ou não;
 

 

4 – Como o parcelamento funciona na prática?

A partir da entrada em vigor da lei, o empresário deverá solicitar a adesão em até 90 dias. E, é claro, com o auxílio de seu contador.

O empresário deverá obrigatoriamente fazer o pagamento da primeira parcela sem reduções de, no mínimo 5%, em até cinco vezes mensais e sucessivas.

A atenção aqui fica por conta do restante do valor, que poderá ocorrer de três formas:

Primeira forma: Liquidado integralmente, em parcela única, com redução de 90% dos juros de mora, 70% das multas de mora, de ofício ou isoladas e 100% dos encargos legais, inclusive honorários advocatícios.

Segunda forma: Parcelado em até 145 parcelas mensais e sucessivas, com redução de 80% dos juros de mora, 50% das multas de mora, de ofício ou isoladas e 100% dos encargos legais, inclusive honorários advocatícios.

Terceira forma: Parcelado em até 175 parcelas mensais e sucessivas, com redução de 50% dos juros de mora, 25% das multas de mora, de ofício ou isoladas e 100% dos encargos legais, inclusive honorários advocatícios.

 

5 – Sua empresa será beneficiada? Quando ela poderá aderir ao PERT / REFIS?

Poderão participar os Microempreendedores Individuais, Microempresas e Empresas de Pequeno Porte com débitos do Simples Nacional. Também estão inclusas as empresas em geral que tenham débitos apurados na forma do Simples Nacional e vencidos até a competência do mês de novembro de 2017.

  • Se sua empresa é optante atual do Simples Nacional ou se já foi excluída dele, isso é indiferente, pois o parcelamento é para débitos do SN, não apenas para seus optantes atuais. Mesmo que sua empresa hoje não seja mais optante do Simples Nacional, se o débito foi apurado no período em que você era optante, pode parcelar.

É sempre bom lembrar que a Lei Complementar ainda não entrou em vigor. Sendo assim, os interessados poderão aderir ao PERT em até o dia 09 de julho de 2018.

 

6 – Você já aderiu a outros parcelamentos de dívidas tributárias? E agora?

Poderão ser parcelados, na forma e nas mesmas condições do PERT / REFIS das MPE, os débitos parcelados no Parcelamento Ordinário do Simples Nacional (§§ 15 a 24 do art. 21 da Lei Complementar nº 123), e no Parcelamento Especial do Simples Nacional (art. 9º da Lei Complementar nº 155).

Lembre-se: Um novo pedido de parcelamento implicará a desistência compulsória e definitiva do parcelamento anterior, sem qualquer restabelecimento dos parcelamentos rescindidos caso não seja efetuado o pagamento da primeira prestação.

 

7 – Existem restrições:

Existem dois pontos pelos quais o empresário deve prestar bastante atenção. São eles:

1 – Devem ser parcelados os débitos pelo Simples Nacional que abrangem apenas o período que vai até novembro de 2017;

2 – Esse parcelamento abrange apenas os débitos recolhidos na forma do Simples Nacional.

  • Caso sua empresa possua outros débitos junto à Receita Federal ou de ordem tributária (como IPTU, IPVA etc), você então deverá procurar por órgãos responsáveis, como a própria Receita Estatual, Secretaria Municipal da Fazenda etc.

 

 

8 – Qual seria a orientação para você não errar nesse procedimento?

A equipe de consultores da Marco Contabilidade Consultiva já está preparada para lhe atender, tirar suas dúvidas e ainda contribuir para que você possa pensar esse procedimento fiscal de forma estratégica de modo a melhorar os resultados da sua empresa ainda em 2018.

Conte conosco!

Posts Relacionados

Receita Federal multa empresas por lucros distribuídos que não existiram

Receita Federal multa empresas por lucros distribuídos que não existiram

data 31/05/2019

Há falhas comuns e consideradas perigosas no momento de fazer a divisão dos rendimentos entre sócios, por colocarem a empresa sob risco de penalização junto à Receita Federal. Nesse sentido, há alguns pontos a que as empresas devem se atentar para evitar irregularidades quanto à distribuição de lucros. Acompanhe!

Continuar Lendo >>
Última chamada para a revisão tributária para 2019

Última chamada para a revisão tributária para 2019

data 13/12/2018

O final do ano nas empresas é aquela época ideal para organizar a casa, rever processos e ajustar o que for necessário, buscando dar passos ainda maiores no ano seguinte. Um aspecto que pode ser determinante na gestão, para otimizar resultados e até mesmo encontrar maior lucratividade, é priorizar a revisão tributária. Entenda!

Continuar Lendo >>
Empresário, aprenda a ter isenção de impostos em sua remuneração

Empresário, aprenda a ter isenção de impostos em sua remuneração

data 06/08/2018

Sua empresa sabe distribuir lucros? Cuidado para não achar essa pergunta óbvia demais.

Continuar Lendo >>

Agende uma apresentação agora mesmo!

Clique aqui