Blog

Receita Federal multa empresas por lucros distribuídos que não existiram

Receita Federal multa empresas por lucros distribuídos que não existiram

31/05/2019

Para as empresas que funcionam em modelo de sociedade, encontrar as formas de remuneração mais justas e legais para os sócios é uma das decisões de maior seriedade possível.

A escolha da forma de retirada de rendimentos deve considerar todos os fatores que se relacionam a essa decisão, passando pela empresa, contabilidade, fisco e os próprios sócios.

Em geral, os empresários têm a ciência de que a remuneração poderá ocorrer envolvendo dois termos do universo financeiro: o Pró-labore e a Distribuição de lucros (ou dividendos), que não são necessariamente excludentes.

Ainda que conheçam os termos, há falhas mais comuns e consideradas perigosas no momento de fazer a divisão dos rendimentos, por colocarem a empresa sob risco de penalização junto à Receita Federal. Uma das principais diz respeito a um suposto aproveitamento sobre a condição de isenção de impostos para lucros distribuídos.

Nesse sentido, há alguns pontos a que as empresas devem se atentar para evitar irregularidades quanto à distribuição de lucros. Acompanhe!

 

Pró-labore x Distribuição de lucros

As principais diferenças entre Pró-labore e Distribuição de lucros já foram tratadas de maneira detalhada no blog da Marco – acesse “Entenda as diferenças entre Pró-Labore e Distribuição de Lucro e aproveite todas as vantagens”.

Resumidamente, o Pró-labore se refere à remuneração mensal dos sócios que exercem trabalho efetivo na empresa, como uma espécie de salário pelas atividades cumpridas, condizente com o salário médio do mercado para aquele trabalho.

Se houver retirada do Pró-labore, é obrigatória a incidência de determinados encargos sobre o valor, com destaque para:

-  Imposto de Renda retido na fonte, a depender da tabela de imposto de renda pessoa física;

-  Contribuição Previdenciária de Pessoa Física (INSS);

-  Contribuição Previdenciária Patronal sobre o valor do Pró-labore (caso a empresa não seja optante do regime do Simples Nacional, nos anexos I, II, III ou V).

Já a distribuição de lucros é um direito de todos os sócios da empresa, mesmo aqueles que atuam apenas como investidores, desde que o negócio tenha apresentado resultado positivo. Ele não têm periodicidade fixa ou mesmo obrigatoriedade, diferentemente do Pró-labore.

É comum que a distribuição de lucros – geralmente proporcional à participação de cada sócio, conforme constar no Contrato Social – ocorra após o encerramento do ano contábil, quando são feitos os cálculos referentes ao lucro acumulado.

Porém, não há impedimentos sobre a opção de realizar o pagamento em outros períodos do ano, por meio da "antecipação de lucros", se a permissão estiver prevista em contrato.

 

Há encargos sobre a distribuição de lucros?

Diferentemente da remuneração Pró-labore, não há, na distribuição de lucros, incidência de contribuição previdenciária (INSS) ou Imposto de Renda, sob a seguinte condição:

A empresa precisa ter uma contabilidade regular, com escrituração contábil que permita demonstrar o lucro efetivamente gerado pelo negócio, já que só pode haver distribuição de lucros se eles efetivamente tiverem existido.

É justamente nesse ponto que muitas empresas buscam brechas que podem levar a irregularidades no procedimento de remuneração. É preciso seguir a legislação!

 

Atenção à distribuição de lucros que não existiram!

Como a não incidência de impostos pode ser considerada um “atrativo” para alguns empresários, há quem opte por realizar a distribuição de lucros de forma antecipada como uma espécie de “substituição” ao Pró-labore. Mas a tentativa de burlar a lei pode sair bem cara!

Isso porque se for realizada a distribuição mas a empresa não tiver tido lucro efetivo na contabilidade, o “falso lucro” será compreendido como renda tributável e, como consequência, a empresa precisará pagar impostos sobre lucros que na realidade não existiram. Ou seja, se a empresa não teve lucro mas ele foi distribuído mesmo assim, a Receita Federal poderá tributá-lo normalmente como Pró-labore, gerando prejuízos bem maiores que a tentativa de “se esquivar” dos impostos.

Vale lembrar também que a fiscalização da Receita Federal é constante e envolve uma série de cruzamentos de dados automáticos para certificar a consistência das atividades exercidas contabilmente pela empresa. Portanto, se processos semelhantes a esse forem identificados, o negócio está sujeito à autuação referente à sonegação de impostos.

Diante dos riscos existentes em tais práticas, a única recomendação possível é a legalidade de todas as ações relacionadas à contabilidade do seu negócio, incluindo a correta forma de remuneração dos sócios.

Para tanto, conte com um serviço de contabilidade confiável, capaz de transmitir todas as orientações sobre as melhores práticas de acordo com o porte da sua empresa e o setor de atuação, e ainda apta a cumprir as conformidades legais com eficiência. Para resultados ainda maiores, a contabilidade consultiva poderá dar um amplo apoio na gestão estratégica do seu negócio.

 

Posts Relacionados

Receita Federal está autuando médicos que atuam indevidamente como empresas

Receita Federal está autuando médicos que atuam indevidamente como empresas

data 20/11/2019

Para se resguardar junto ao fisco e garantir que a prática profissional esteja sendo cumprida dentro dos critérios considerados pela Receita Federal, os médicos devem se atentar à legalidade de seu modelo societário e ainda às opções existentes para reduzir o pagamento de impostos de forma legal. Entenda!

Continuar Lendo >>
Quando o regime de Lucro Real vale a pena?

Quando o regime de Lucro Real vale a pena?

data 04/11/2019

O Lucro Real é visto pelo senso comum como um regime pouco vantajoso, nos quais os tributos serão maiores. Mas atenção! A realidade não é essa. A verdade é que a escolha do enquadramento tributário deve ser feita analisando uma série de fatores e, como você verá, pode haver vantagens na escolha do regime de Lucro Real, de acordo com o perfil da empresa.

Continuar Lendo >>
Última chamada para a revisão tributária para 2019

Última chamada para a revisão tributária para 2019

data 13/12/2018

O final do ano nas empresas é aquela época ideal para organizar a casa, rever processos e ajustar o que for necessário, buscando dar passos ainda maiores no ano seguinte. Um aspecto que pode ser determinante na gestão, para otimizar resultados e até mesmo encontrar maior lucratividade, é priorizar a revisão tributária. Entenda!

Continuar Lendo >>

Agende uma apresentação agora mesmo!

Clique aqui