Blog

Quando o regime de Lucro Real vale a pena?

Quando o regime de Lucro Real vale a pena?

04/11/2019

Para as empresas, o recolhimento de tributos é parte fundamental das operações legais e é feito segundo regras que variam conforme os diferentes modelos de enquadramento tributário existentes:

- Simples Nacional

- Lucro Presumido

- Lucro Real

A opção pelo enquadramento tributário é de responsabilidade do empresário, que deve escolher de acordo com as regras determinadas e com o que é mais adequado ao seu negócio.

O que nem todo empresário reconhece é que uma escolha errada, nesse momento, pode ser crucial até mesmo para a saúde do negócio. Optar por um regime menos adequado pode implicar que a empresa a pague mais impostos do que realmente deveria segundo a legislação fiscal, o que pode prejudicar a obtenção de lucros e até mesmo o seu sucesso.

Nesse sentido, o Lucro Real é visto pelo senso comum como um regime pouco vantajoso, nos quais os tributos serão maiores. Mas atenção! A realidade não é essa.

A verdade é que a escolha do enquadramento tributário deve ser feita analisando uma série de fatores e, como você verá, pode haver vantagens na escolha do regime de Lucro Real, de acordo com o perfil da empresa.

 

Lucro Real: O que é

Para conhecer detalhadamente os enquadramentos tributários existentes, acesse: Enquadramento tributário: Qual a melhor opção para a sua empresa?

As diferenças entre os modelos de tributação existentes são notadas principalmente pela forma de cálculo utilizada para os principais tributos atribuídos às empresas, com destaque para o Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

No regime de Lucro Real, como o nome indica, o cálculo do IRPJ e do CSLL é baseado no lucro efetivo apurado da empresa no período. Esse lucro corresponde aos resultados apresentados pelas demonstrações contábeis, com os devidos ajustes (acréscimos e descontos) impostos por lei.

Em comparação aos regimes do Simples Nacional e Lucro Presumido, é possível analisar que essa é uma forma de tributação mais justa, na medida em que os impostos incidem sobre o resultado efetivo, e não sobre a receita bruta (Simples Nacional) ou uma base padrão e nem sempre atingida (modelo do Lucro Presumido). No entanto, nem todas as empresas estão aptas à modalidade e, em outros casos, muitos empresários sequer estão cientes de que podem se enquadrar.

 

lucro-real-vale-a-pena

 

Quem pode e quem deve optar pelo Lucro Real?

O enquadramento no regime de Lucro Real é obrigatório em alguns casos:

- Rendimento: Qualquer organização que opte pelo regime do lucro real, sendo obrigatório para aquelas que possuem receita bruta anual superior a R$ 78 milhões;

- Atuação: Para empresas que atuam em determinados segmentos, como mercado financeiro (bancos, cooperativas de crédito, empresas de seguros privados, distribuidoras de valores mobiliários e câmbio etc.), factoring, Sociedades de Propósito Específico (SPE), entre outras.

Apesar das exigências, não há limite determinado de faturamento para os optantes do Lucro Real – ou seja, qualquer empresa que tenha receita bruta anual menor que R$ 78 milhões também está apta a escolher o modelo de tributação.

Mas para quem, afinal, o regime pode ser vantajoso? É preciso analisar algumas questões.

 

Vantagens do regime de Lucro Real

De forma geral, pode-se dizer que o Lucro Real é um modelo vantajoso para empresas com margens de lucro reduzidas ou em situações de prejuízo, a exemplo de grandes indústrias que possuem muitas despesas (matéria-prima, energia elétrica, fretes, aluguéis...).

Essa vantagem diz respeito a vários fatores:

 

- Isenção e compensação em casos de prejuízo fiscal

A possibilidade de compensar prejuízos fiscais é uma exclusividade do regime de Lucro Real, que pode ser especialmente vantajosa em alguns casos, já que evita distorções no recolhimento do IRPJ e da CSLL.

Na prática, isso significa que caso a empresa não tenha tido faturamento que compense as despesas – o que é muito comum para negócios recém-inaugurados, por exemplo –, ela está dispensada de pagar o IRPJ e CSLL. O prejuízo acumulado é compensado no período de apuração subsequente, caso a empresa passe a ter lucro, sob um limite de 30% do lucro real no período.

 

- Aproveitamento dos créditos do PIS e COFINS

A apuração do PIS e COFINS, na modalidade de Lucro Real, é feita pelo regime não-cumulativo, o que significa que são admitidos créditos em determinados custos e despesas (com exceção de mão de obra) a serem abatidos do PIS e COFINS. Nessa modalidade, ao contrário dos demais regimes, no valor mensal a ser pago desses impostos é permitido o abatimento dos créditos referentes às operações determinadas por lei.

 

- Utilização de benefícios fiscais

Há, na legislação tributária, uma variedade de benefícios e incentivos fiscais aplicáveis especialmente às empresas optantes do Lucro Real, em diferentes áreas.

As vantagens passam por dedução de imposto de renda sobre o lucro líquido de projetos de caráter cultural e artístico, atividades audiovisuais, diferentes tipos de doações a fundos e projetos, Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT), entre outros. Outro incentivo bastante visado é a prorrogação da Licença-Maternidade.

 

 

- Períodos de apuração variáveis

Para os optantes do Lucro Real, há ainda uma flexibilidade quanto à forma de apuração dos tributos, que pode ser mensal, trimestral ou anual. Junto à contabilidade, é possível encontrar a forma mais viável e estratégica para o negócio.

 

- Pagamento de Juros sobre o Capital Próprio (JCP)

A possibilidade de pagamento de Juros sobre o Capital Próprio (JCP) exclusiva do Lucro Real permite deduzir da base de cálculo do IRPJ parte dos dividendos que são pagos aos sócios.

 

- Possibilidade de alternância de regimes tributários

Uma prática comum realizada pelas assessorias contábeis de empresas optantes pelo Lucro Real é a análise da possibilidade de migração para os outros regimes existentes, quando ela é permitida por lei. Tal estratégia pode ser vantajosa em momentos que a empresa alcança melhores condições financeiras e passa a obter lucro, diante da diminuição de volume de impostos a recolher.

 

Desvantagens do regime de Lucro Real

Por se tratar de um modelo mais complexo, o aumento da burocracia envolvida é visto como a principal desvantagem do Lucro Real. Acrescentam-se a essa visão:

- Aumento das obrigações acessórias;

- Controle contábil mais exigente;

- Incidência do PIS e COFINS sobre alíquotas mais altas – no entanto, cabem os créditos determinados na lei;

- Ônus relacionado à burocracia mais alto, devido ao acompanhamento contábil necessário;

- Maior risco de fiscalizações espontâneas pela Receita Federal, Fazenda Estadual e Municipal.

 

Vale lembrar, diante de todas as informações apresentadas, que há diversas situações em que o investimento junto a uma assessoria contábil com experiência no ramo, fundamental para os optantes do regime de Lucro Real, é compensatório e comprovado pelos próprios números.

O conselho é, portanto, buscar auxílio de um Contador Consultor especializado para identificar o perfil do negócio e, a partir dos dados levantados, encontrar o regime tributário mais adequado para a empresa. Especialmente no caso do Lucro Real, esse apoio constante da empresa de contabilidade é determinante para manter a legalidade tributária e até mesmo a saúde financeira.

Conheça os serviços da Marco Contabilidade.

Posts Relacionados

Receita Federal está autuando médicos que atuam indevidamente como empresas

Receita Federal está autuando médicos que atuam indevidamente como empresas

data 20/11/2019

Para se resguardar junto ao fisco e garantir que a prática profissional esteja sendo cumprida dentro dos critérios considerados pela Receita Federal, os médicos devem se atentar à legalidade de seu modelo societário e ainda às opções existentes para reduzir o pagamento de impostos de forma legal. Entenda!

Continuar Lendo >>
Receita Federal multa empresas por lucros distribuídos que não existiram

Receita Federal multa empresas por lucros distribuídos que não existiram

data 31/05/2019

Há falhas comuns e consideradas perigosas no momento de fazer a divisão dos rendimentos entre sócios, por colocarem a empresa sob risco de penalização junto à Receita Federal. Nesse sentido, há alguns pontos a que as empresas devem se atentar para evitar irregularidades quanto à distribuição de lucros. Acompanhe!

Continuar Lendo >>
Última chamada para a revisão tributária para 2019

Última chamada para a revisão tributária para 2019

data 13/12/2018

O final do ano nas empresas é aquela época ideal para organizar a casa, rever processos e ajustar o que for necessário, buscando dar passos ainda maiores no ano seguinte. Um aspecto que pode ser determinante na gestão, para otimizar resultados e até mesmo encontrar maior lucratividade, é priorizar a revisão tributária. Entenda!

Continuar Lendo >>

Agende uma apresentação agora mesmo!

Clique aqui