Blog

Seu restaurante está aproveitando o regime monofásico do PIS/COFINS?

Seu restaurante está aproveitando o regime monofásico do PIS/COFINS?

20/03/2019

Não é preciso destacar ao empresário brasileiro a complexidade do sistema tributário no país - afinal, ele já vivencia na prática, em algum nível, a enorme gama de impostos cobrados pelo governo e a dificuldade de manter-se na lei diante da especificidade e constantes mudanças do regime.

No que diz respeito às empresas comerciais, é possível dizer que para determinados segmentos é necessário atenção redobrada com os aspectos fiscais e tributários. Isso porque há termos e aplicações que recaem especificamente para certos setores, como é o caso dos restaurantes.

Neste post, trataremos de alguns pontos de atenção necessários para que o empresário do ramo dos restaurantes inscrito no regime do Simples Nacional alcance maior compreensão acerca da tributação sobre os produtos vendidos no estabelecimento, evitando prejuízos.

O primeiro quesito a destacar é a incidência do regime monofásico sobre o setor. Entenda!

Regime monofásico: o que é e como se aplica aos restaurantes

Para entender resumidamente o regime monofásico, pode-se iniciar identificando sua semelhança com o modelo de substituição tributária (que, para os restaurantes, já decorre sobre a cobrança do ICMS), no sentido de que ambos atribuem a somente um determinado contribuinte - geralmente indústrias e importadores - a responsabilidade pelo recolhimento do imposto devido em toda cadeia de venda de um produto ou serviço.

No caso do regime de tributação monofásica, trata-se especificamente da extinção da contribuição do PIS e da Cofins incidentes sobre a receita bruta decorrente da venda de certos produtos listados na legislação. Isso significa que, para esses produtos, o estabelecimento optante pelo Simples Nacional tem direito à isenção dos tributos referentes à sua venda, seja no atacado (distribuidores) ou varejo (comércio).

Produtos sujeitos ao PIS/Cofins monofásico

A lista de produtos sujeitos ao regime monofásico contempla dezenas de categorias, como:

  • bebidas frias - água mineral, refrigerantes, isotônicos/energéticos, cervejas;
  • produtos de higiene pessoal, farmacêuticos e de perfumaria ;
  • combustíveis;
  • gás de cozinha;
  • autopeças.

Como boa parte desses produtos são adquiridos no dia a dia por restaurantes, é importante que os estabelecimentos estejam atentos ao processo de tributação, para que não corram o risco de recolher mais impostos que o necessário.

Entenda em números

Vamos entender melhor por meio de um exemplo. Imaginemos a seguinte situação:

  • Um varejista com faturamento de R$ 700 mil ao ano, que está no Anexo I do Simples, na terceira faixa de receita acumulada;
  • Sua alíquota, portanto, é de 9,5% de impostos, sendo 1,21% desse percentual destinado à Cofins e 0,26% ao PIS, no total de 1,47% da guia mensal unificada de tributos;
  • Caso a indústria fornecedora da empresa do Simples recolha PIS Cofins monofásico, ela pode economizar, no caso do exemplo, 1,47% de 9,5%, o que representa mais de 15% de economia na carga tributária.

Recuperando benefícios não aproveitados

Após tomar conhecimento desse direito, o empresário pode pensar que perdeu todo o dinheiro dos impostos recolhidos erroneamente no passado. Mas não é assim que funciona! Quando há pagamento de impostos acima do devido nas empresas, é um direito previsto obter a reparação dos valores referentes aos tributos nos últimos 5 anos.

A recuperação pode acontecer por meio da devolução do dinheiro ou por compensação, que gera créditos a serem utilizados na quitação dos tributos futuros.

O pedido é feito diretamente à Receita Federal. Como o processo exige uma análise minuciosa de todas as despesas dos 5 anos para a identificação correta dos valores e entrada do pedido seguindo os padrões exigidos pela Receita (incluindo uma série de documentações), o mais indicado é contar com um Contador Consultor ao seu lado, para garantir que tudo seja feito com segurança e a devida atenção.

A Contabilidade Consultiva dará um apoio ainda mais profundo no sentido de manter um acompanhamento fiscal e tributário constante, que garanta o cumprimento das obrigações legais, identifique oportunidades, corrija possíveis erros e mantenha a saúde financeira do negócio, sempre atentos à especificidade de cada setor.

Conte a Marco Contabilidade Consultiva!

Posts Relacionados

Como utilizar a DRE para cortar despesas do negócio

Como utilizar a DRE para cortar despesas do negócio

data 10/03/2020

Quando a necessidade é enxugar gastos e cortar despesas para afrouxar as contas do mês, um documento muitas vezes negligenciado entre a papelada contábil pode ser a chave: a Demonstração de Resultados, ou DRE.

Continuar Lendo >>
Conheça os primeiros passos para abrir seu próprio negócio

Quais são os primeiros passos para abrir seu próprio negócio?

data 02/03/2020

Abrir um novo negócio exige uma preparação que vai bem além da obtenção dos recursos financeiros iniciais. Há orientações que, se seguidas ainda nos primeiros passos do empreendedor, são determinantes para se proteger dos riscos envolvidos nessa atividade.

Continuar Lendo >>
WhatsApp no Trabalho: Permitir ou Proibir?

WhatsApp no Trabalho: Permitir ou Proibir?

data 23/12/2019

Se por um lado o WhatsApp traz facilidade na comunicação, por outro, há bastante preocupação quanto à queda da produtividade por conta da liberação do aplicativo no ambiente de trabalho. Como administrar o tempo para utilização do WhatsApp no horário comercial (e até fora dele)? Será que a solução é proibir?

Continuar Lendo >>

Agende uma apresentação agora mesmo!

Clique aqui