Blog

Virei chefe, e agora?

Virei chefe, e agora?

09/01/2019

Você executou seu trabalho com maestria, manteve seu foco, se destacou e chegou lá. Parabéns! Tornar-se chefe é, antes de tudo, um resultado dos seus esforços e consequência dos seus comportamentos e entregas no decorrer do tempo. Com esse reconhecimento, você adentra um novo caminho cheio de oportunidades de crescimento, tanto pessoal quanto profissional, que te levarão a lugares ainda maiores.

No entanto, é preciso se preparar para a experiência com a consciência de que a gestão é também um caminho de desafios, e guarda inclusive algumas armadilhas para as quais é preciso estar sempre atento. Até outro dia, você era um funcionário da equipe, que estava no mesmo nível de seus companheiros, compartilhando as tarefas do dia a dia e até mesmo a convivência frequente. Ao virar chefe, o que muda?

Com certeza, serão sentidas mudanças no relacionamento com as pessoas – e elas são realmente necessárias, em diversos sentidos. Mas para além delas, há posturas e habilidades que serão exigidas em peso muito maior. A primeira é o desenvolvimento da liderança.

O chefe é, primeiramente, um líder

“O líder deve bater metas com seu time fazendo a coisa certa”. Quem resumiu a máxima sobre liderança foi Vicente Falconi, fundador da Falconi Consultores de Resultado e uma das maiores autoridades no país sobre o assunto. A simples frase de Falconi envolve a aplicação de um amplo conjunto de práticas. Primeiro, trata da habilidade de um líder em estabelecer metas e fornecer o conhecimento técnico necessário para que a equipe consiga cumpri-las. Depois, fala ainda da importância de liderar um time: recrutá-lo, motivá-lo constantemente, inspirá-lo e tirá-lo da zona de conforto serão algumas das missões do gestor para alcançar as metas. Mas a máxima ainda envolve “fazer a coisa certa”, ou seja, promover uma cultura ética, justa para todos e alinhada com os valores da empresa.

Em outras palavras, o chefe não é ninguém sem sua equipe, e pouco conseguirá realizar se não tiver seus colaboradores verdadeiramente ao seu lado. Por isso, o melhor caminho é desenvolver um trabalho de aproximação e envolvimento que auxilie no fortalecimento da equipe como time (todos focados no mesmo objetivo).

É comum que a mudança de posição do cargo de funcionário para gestor gere também uma mudança na forma como as pessoas se relacionam com você. Em boa parte, isso é um efeito da estrutura verticalizada das empresas, que leva a equipe a naturalizar um distanciamento entre quem está em cima e quem está embaixo. É como se aquela pessoa que há pouco reclamava com você sobre uma insatisfação do trabalho agora virasse um “inimigo” para o qual não se pode falar mais nada, pois foi colocada uma barreira. É necessário adaptar e mudar essa sensação na equipe. Ainda que a postura do chefe realmente precise mudar, no sentido de alcançar níveis ainda mais altos de profissionalismo – já que você passa a ser espelho da empresa –, o ideal é moldar o relacionamento buscando alcançar o diálogo franco, a transparência e a compreensão. Permitir ou negligenciar o distanciamento de sua equipe com você, gestor, dificultará o batimento das metas estabelecidas e ainda pode afetar o clima organizacional. Quanto mais confiável e acessível você for, melhores resultados serão obtidos.

Preze pela comunicação

Pelo que já dissemos até aqui, dá para perceber como a boa liderança tem tudo a ver com a capacidade de comunicação. Algumas pessoas têm um talento nato para comunicar, mas a boa notícia é que essa habilidade pode também ser desenvolvida e aprimorada. O lugar de gestão exigirá exatamente isso em muitos momentos. Mas comunicar não é só ter facilidade para falar! Pelo contrário, no que diz respeito ao âmbito profissional, a comunicação é uma via de mão dupla, que exige, principalmente, saber ouvir e absorver sentimentos, opiniões e feedbacks, de forma individual. É um exercício de empatia e até de humildade.

Algumas das atribuições difíceis porém necessárias de um chefe, como cobrar resultados, apontar mudanças ou fornecer feedbacks negativos, ficam muito mais leves se há a compreensão do outro lado e a atenção à forma de comunicar. E há ainda mais uma vantagem em exercitar a comunicação, que diz respeito à geração de proximidade da equipe com a gestão e com a empresa de forma geral. Para evoluir nesse sentido, é válido apostar em reuniões semanais de acompanhamento nos setores e atualização constante da equipe sobre informações referentes às evoluções, novidades e processos da empresa, por meio da comunicação interna.

Lidere pelo exemplo

Muitos gestores gostam de envolver o trabalho a discursos motivacionais e muitas palavras de incentivo. Tudo bem, mas não adianta se iludir pensando que as palavras serão suficientes. A verdade é que um bom líder motiva pelo exemplo. Ou seja: ele pratica o que diz e apresenta pela sua própria prática os resultados. Já ouviu a expressão “Walk the talk” (uma tradução não literal seria “Faça o que fala”)? É bem por aí.

No cotidiano da empresa, são diversas as aplicações dessa verdade. Significa, por exemplo, que se o chefe quer ver uma equipe motivada ele deve primeiramente se demonstrar constantemente motivado, executando seu trabalho com disposição e foco. Mas significa também que os resultados e entregas que você deseja ver dos colaboradores precisam ser percebidos também vindos de você! O exemplo de trabalho tem um efeito positivo sobre toda a equipe. Afinal, quem se inspira por um líder que não trabalha? A dica é: demande muito mais de si mesmo antes de demandar outras pessoas.

Além disso, é responsabilidade do líder ainda respirar e refletir os valores da empresa. O seu compromisso com o propósito do negócio deve ser sentido sobre todas as suas atitudes relacionadas ao âmbito profissional, desde o cumprimento das regras à forma de falar sobre a empresa e apresentá-la publicamente.

Alinhe a gestão

Outro fator importante sobre a liderança é manter um alinhamento que deve vir de cima para baixo, no caso de empresas que compartilham diferentes postos de gestão. Além de um alinhamento de valores e de discursos, é necessário que haja um alinhamento de ação entre setores, para que todos os passos sejam dados na mesma direção. Para a equipe, nada é mais confuso e desmotivador que receber comandos diferentes ou até mesmo ouvir falas opostas de gestores, o que pode fragilizar processos e afetar diretamente o rendimento.

Encarar o desafio da gestão é enriquecedor e traz uma série de lições que certamente ultrapassam as paredes do escritório. Aproveite a oportunidade de aprender com o outro, se desenvolver individualmente e fazer a diferença na vida das pessoas. Se essas são suas prioridades como chefe, é sinal de que estará no caminho certo!

Para alcançar resultados ainda melhores, que tal contar com uma consultoria capaz de auxiliar nos aspectos mais importantes da gestão e ainda na assessoria contábil de sua empresa? Conheça o serviço de Contabilidade Consultiva da Marco Contabilidade Consultiva.

Sucesso e boa sorte!

 

Posts Relacionados

Seu restaurante está aproveitando o regime monofásico do PIS/COFINS?

Seu restaurante está aproveitando o regime monofásico do PIS/COFINS?

data 20/03/2019

Neste post, trataremos de alguns pontos de atenção necessários para que o empresário do ramo dos restaurantes inscrito no regime do Simples Nacional alcance maior compreensão acerca da tributação sobre os produtos vendidos no estabelecimento, evitando prejuízos. O primeiro quesito a destacar é a incidência do regime monofásico sobre o setor. Entenda!

Continuar Lendo >>
Vale a pena comprar automóvel em nome da empresa?

Vale a pena comprar automóvel em nome da empresa?

data 11/03/2019

Você, empresário, já ouviu alguma vez a expressão “venda direta” para automóveis? Trata-se de uma opção para a qual donos de empresa que precisam realizar a compra de um ou mais veículos geralmente estão ligados, que diz respeito a um tipo de venda exclusivo entre concessionárias e qualquer tipo de empresa que apresente CNPJ. Acompanhe as principais informações que você precisa saber sobre o assunto!

Continuar Lendo >>
Quais são os principais erros cometidos pelos lojistas?

Quais são os principais erros cometidos pelos lojistas?

data 22/02/2019

A rotina para os lojistas envolve uma série de processos específicos que tomam boa parte do tempo na gestão, como fluxo de caixa, gestão de estoque, atenção ao desempenho das vendas... Nem sempre é fácil manter o controle de todas as responsabilidades ao mesmo tempo, mantendo o equilíbrio financeiro necessário para que o negócio se sustente e possa alcançar lucros ainda maiores. Como evitar erros na gestão financeira de sua loja? Temos algumas dicas importantes!

Continuar Lendo >>

Agende uma apresentação agora mesmo!

Clique aqui